Nodo Norte na 8ª Casa

Se não podemos nomeá-lo, se nossa palavra falha, se estamos tão intimidados pelo poder dos outros que nos censuramos, se escondemos nossas tristezas em silêncio, então, nesses dois meses, uma porta se abre. Estamos entrando em um novo ciclo de crescimento e aprendizado.



Abrimo-nos à oportunidade de aprender a falar cada vez mais perto da nossa verdade, cada vez mais perto da fonte de poder que é a nossa verdade emocional.

O perigo nesta transição - do eixo nodal de Câncer-Capricórnio para Gêmeos-Sagitário - é que nos desconectamos de nosso corpo e de nossas emoções.



Nodo Norte - Significado

O perigo é que nos dispersemos no jogo da superestimulação mental, nas fantasias feitas no ar, nas idealizações românticas (afetivas, espirituais e criativas) que não têm as raízes e os alicerces necessários para nos sustentar no tempo.



A dissociação entre a mente e o corpo, entre a mente e a emoção, revela-se através do não que não poderíamos nomear a tempo. Esses espaços não consensuais - sutis ou explícitos - nos quais nossa palavra não tinha voz.

É revelado no abismo que reconhecemos quando nossa mente faz uma coisa e nosso corpo faz outra. É revelado quando pensamos que amamos algo ou alguém o suficiente para nos comprometermos a cuidar do vínculo, e nossas ações mostram o contrário.

É revelado quando reconhecemos como nossa confusão nos mantém presos na cabeça, entre anjos e demônios que projetamos fora. É revelado quando nos reconhecemos desconectados da fonte da verdade que somos.



Perdemos a máscara. A união romântica pode ser física, o que nos faz sentir bem, ou a conexão mais profunda e honesta com outra pessoa (como, por exemplo, tântrico s * x, uma doutrina esotérica oriental que adora os prazeres mundanos como um meio de alcançar a realização espiritual) .

Durante o mês de maio, Vênus, Saturno e Júpiter retrógrados. No próximo mês, Mercúrio se junta. É um tempo reflexivo, interno.

É um momento de profundas perguntas e ajustes. Júpiter - retrógrado em Capricórnio em 14 de maio - lidera as primeiras revelações do nó sul em Sagitário.



No mínimo, temos que diminuir as expectativas colocadas em nossas aspirações e ambições. Reduzir implica simplificar, ser realista.

Júpiter em Capricórnio deseja escalar a montanha da manifestação. Júpiter retrógrado nos fala sobre uma revisão necessária das estratégias de longo prazo - dos compromissos e responsabilidades que estamos dispostos e dispostos a assumir - para materializar nossos potenciais. A questão é: nossa ambição é realista?

Em nossa mente, tudo é grande e alcançável. Em teoria, tudo é criável. Porém, desde a perspectiva íntima do corpo, emoção e afetos, desde os desejos da alma, a narrativa muda.

Neste mês de maio estamos atentos e atentos às mudanças narrativas. Aos poucos, uma história está sendo desmontada cujas leis, e conjunto de crenças, já não nos sustentam.

Ao mesmo tempo, caminhamos e tecemos, dia a dia, aquele que hoje nos sustenta. O que nos sustenta hoje e vai sustentar amanhã na história que queremos e vamos contar.

8ª Casa - Significado

A Casa 8 é conhecida como Casa da Regeneração. O desafio que traz personalidade à necessidade de evolução.

sonha em vomitar

Transcender limites pessoais por meio de reflexão e mudança internas. Esta casa é governada por Escorpião e Marte (na Astrologia tradicional) e por Plutão (na Astrologia moderna).

A 8ª Casa representa as relações mais íntimas e as transformações emocionais que resultam dessa interação. É a Casa onde ocorrem as crises pessoais e onde ocorrem as mais profundas mudanças de personalidade.

As pessoas bonitas desta Assembleia tendem a esforçar-se cada vez mais para melhorar.

Por outro lado, pessoas com planetas tensos na 8ª Casa resistem ao processo de transformação pessoal. Eles podem iniciar o processo, mas geralmente desistem antes de concluí-lo.

Palavras-chave - interação, nascimento-morte-ressurreição, integração, união romântica, regeneração, consciência ampliada, perda, carga emocional, memórias de infância, herança, dinheiro de outras pessoas, compartilhamento e metafísica

A Casa 8 cobre várias áreas. É uma Casa oposta à Casa 2, da propriedade e dos valores pessoais e, por este motivo, também é chamada de Casa da propriedade de outrem.

Os signos e planetas posicionados na 8ª Casa sugerem como nos comportamos financeiramente no casamento e no trabalho, e na herança e testamentos.

Júpiter nesta Casa, por exemplo, indica um casamento economicamente próspero, a possibilidade de receber uma herança ou bons resultados financeiros numa parceria comercial.

No entanto, Saturno mal posicionado pode sugerir um casamento financeiramente pobre ou com grandes dificuldades financeiras, dívidas ou parcerias de negócios financeiramente desastrosas.

A 8ª Casa administra o dinheiro e os ativos de terceiros por meio de bancos, corretores de ações, analistas financeiros e contadores.

No entanto, esta Assembleia representa mais do que o dinheiro de outras pessoas. Também descreve como estamos dispostos a compartilhar nossa riqueza e como nos relacionamos com os outros.

Expandindo o que começamos na 7ª Casa, a Oitava Casa é a essência dos relacionamentos: o que acontece quando duas pessoas - cada uma com seu temperamento, seus recursos materiais, seu sistema de valores, suas necessidades e seu relógio biológico - começam a se relacionar. Dois mundos se encontram. Cada um com suas peculiaridades e modo de ser.

Várias questões e possíveis conflitos surgem: como vamos usar o dinheiro que temos? Consumimos, investimos ou economizamos? Quando teremos relacionamentos íntimos? Para mim, uma vez por semana é o suficiente, mas meu parceiro vem todos os dias.

Na minha opinião, às vezes o castigo físico é necessário para disciplinar as crianças, mas o outro é absolutamente contra isso. Não gosto dos amigos dele e prefiro sair e conhecer os meus. Quem vai ganhar e quem vai ceder? Se não houver desejo de fazer as coisas funcionarem, o casamento facilmente se torna um campo de batalha a cada dia.

A 8ª Casa está naturalmente associada ao planeta Plutão e ao signo de Escorpião, sendo também chamada de casa do sexo, regeneração e morte.

Segundo a mitologia, a virgem Perséfone é raptada por Plutão (ou Hades na mitologia grega), o deus do submundo e dos mortos, que a leva para o submundo. Quando ela retorna ao mundo superior, ela é uma mulher e não a adolescente inocente de outrora.

Esse mito nos lembra que um relacionamento profundo com uma pessoa tem a capacidade de nos mudar. Nosso ego e nossa personalidade são transformados quando nos imergimos no mundo do outro. Nós nos adaptamos para vivermos juntos. Podemos até deixar de ser a mesma pessoa. Morremos como um eu isolado e renascemos como um nós.

Nossa natureza romântica está representada na 8ª Casa. Na intimidade, ficamos frágeis, expondo a parte de nós que normalmente escondemos dos outros.

Perdemos a máscara. A união romântica pode ser tanto física, o que nos faz sentir bem, ou a conexão mais profunda e honesta com outra pessoa (como, por exemplo, sexo tântrico, uma doutrina esotérica oriental que adora os prazeres mundanos como um meio de alcançar a realização espiritual).

Quando interagimos com outras pessoas, damos algo de nós mesmos e recebemos qualquer outra coisa em troca. Mas a maneira como nos relacionamos também reflete a natureza das experiências.

Nodo Norte na 8ª Casa - Significado e Simbolismo

A relação entre pais e filhos, as memórias da infância, o meio ambiente e as relações familiares em geral, deixam vestígios na vida e condicionam os vários papéis que desempenhamos (como filhos, pais, casais).

Todos nascemos frágeis e dependentes. Não somos autossuficientes nem começamos a explorar o mundo por conta própria poucas horas depois do nascimento. Precisamos do amor e proteção de alguém. Alimentos e cuidados. Esses sentimentos estão contidos, para a grande maioria de nós, na figura materna.

A perda do amor da mãe não significa apenas a perda de alguém próximo a nós; pode significar abandono e morte.

Esse medo de perder o amor de alguém importante pode então ser projetado em relacionamentos de grande dependência emocional ou violentas crises de ciúme. O medo de ser abandonado, de não ser amado, de ficar sozinho.

No entanto, se essa dependência existe quando somos bebês, não é verdade na idade adulta. Estamos em condições de garantir nossa sobrevivência. Conhecer essas verdades expõe a fonte de nossas emoções e a carga emocional que trazemos para os relacionamentos, especialmente o casamento, e nos ajuda a entender por que certas atitudes e comportamentos.

Sentimentos de raiva e violência também podem refletir experiências da infância. Entender por que nos sentimos assim, voltar a experiências passadas, quando dependíamos de outra pessoa para atender às nossas necessidades mais básicas e combater a frustração, pode nos dar algumas respostas.

Somente quando reconhecemos o que há de pior em nós mesmos e nas emoções negativas (inveja, intolerância, ganância, vingança, crueldade, ciúme, raiva), que geralmente se manifestam na relação com o outro, é possível desconstruir o nosso eu, evoluir e renascer . Não é possível melhorar algo se não tivermos consciência do que é.

sonho de ficar nu em público

Só assim evoluímos como pessoas, nos tornamos melhores e nos alinhamos com a imagem que gostaríamos de ter de nós mesmos.

A Casa 8 força essa reflexão. O lado escuro precisa ser exposto para que possa ser visto. Não há pior cego do que aquele que não quer ver.

Isso não significa que, para combater as energias negativas que residem em nós, temos que explorar e alcançar tudo e todos.

Somente esta consciência nos permite prevenir comportamentos destrutivos, para nós e para os outros.

A 8ª Casa é uma área complexa, que lida com as emoções mais básicas e ocultas da personalidade.

Tão escondidos que às vezes nem mesmo conseguimos reconhecê-los. Por meio do estudo do mapa de nascimento, podemos abandonar bagagens desnecessárias.

Isso não traz nada e só carrega o espírito. Esta casa lembra-nos que por vezes é necessário destruir para dar lugar a algo melhor.

A 8ª Casa também se refere à forma como vemos o planeta e os recursos naturais. Se olharmos para eles de uma perspectiva egoísta e os explorarmos apenas para nosso próprio benefício ou, se compartilharmos e protegermos, para o bem de todos.

A 8ª Casa também revela a maneira como percebemos o mundo oculto e misterioso. Podemos ser mais ou menos sensíveis. Acredite ou não no lado místico de nossa existência humana. A própria morte pode ser vista como o fim de tudo ou como um portal para um plano superior.

No entanto, a perda não é apenas morte física. Ao longo da vida enfrentamos vários momentos e tipos de perdas.

A 8ª Câmara fala sobre este assunto. Se um certo relacionamento que condicionou nossa identidade termina, uma parte de nós se perde com ele. Portanto, é necessário renascer. Para criar uma nova identidade.

Por outro lado, se a nossa carreira sofrer um revés e formos obrigados a fazer algo com que não nos identificamos, teremos esse sentimento de perda, de que algo acabou e não podemos recuperá-lo.

Mais uma vez, temos que nos reinventar e construir algo novo a partir de uma realidade anterior que já se extinguiu.

Conclusão

A própria vida é composta por etapas, cada uma com desafios diferentes. De bebês nos tornamos crianças. De crianças a adolescentes. De adolescentes a adultos.

Cada uma dessas fases de desenvolvimento corresponde a várias obrigações e expectativas. São estágios de aprendizagem que convergem em quem somos.

Mesmo assim, enquanto estivermos, não paramos de evoluir, refletir, mudar. Grande parte dessa transformação resulta de nossa interação com o mundo exterior e com o que contribuímos para nós mesmos como resultado da interação com outras pessoas. O que fazemos com essa experiência é uma decisão individual.

Os signos e planetas presentes na 8ª Casa indicam a forma como essas fases de transição são apresentadas.

Uma pessoa com uma 8ª Casa forte tende a viver como se sua vida fosse um livro com vários capítulos ou uma peça, com várias mudanças de cenário.